As exportações de bacalhau da Noruega caíram 11% entre os primeiros onze meses deste ano, mas a descida foi mais do que compensada com a subida de 24% em valor, segundo o Conselho Norueguês das Pescas (Norge).

Ainda assim o representante da Norge em Portugal, Christian Nordahl, acredita que o Natal não vai ficar mais caro para os portugueses:“Os retalhistas fazem campanhas com preços muito baixos. Esperamos que as vendas vão ser boas também este Natal”, salientou.

Entre 01 de janeiro e 08 de novembro, o consumo de bacalhau subiu 7% em valor e decresceu 13% em volume, mas o responsável da Norge acredita que vai recuperar até ao final do ano, já que últimos dois meses do ano representam entre 25 a 30% do consumo total.

Christian Nordahl salientou que o ‘stock’ de biomassa se encontra ao melhor nível de sempre e que é preciso distinguir entre os diferentes ‘stocks’ de bacalhau e os diferentes níveis de sustentabilidade.

A Comissão Europeia propôs para o próximo ano uma redução de quase 30% na quota de pesca de bacalhau do Mar do Norte, que é gerida pela União Europeia, mas a quota de pesca do bacalhau da Noruega, que é gerida conjuntamente pela Noruega e pela Rússia e desceu 10% em 2015, vai manter-se nas 423 mil toneladas em 2016, dado o bom estado do ‘stock’.

O responsável da Norge adiantou que a descida das exportações em volume pode estar associada às más condições climáticas que se verificaram no primeiro trimestre de 2015, que levaram a um decréscimo de 13% das capturas (-53 mil toneladas do que 2014).

Quanto ao consumo total, mantém-se em Portugal em torno dos 70 mil toneladas, o que significa na prática 10 quilos/percapita por ano (100 mil toneladas de bacalhau demolhado).

Portugal é o principal destino de bacalhau norueguês, absorvendo mais de um quarto do total das exportações em 2014 (26%).