A transportadora aérea angolana TAAG vai passar a voar duas vezes por dia para Portugal, utilizando para tal o novo avião Boeing 777-300 ER, batizado de "Morro do Moco", que chegou hoje a Luanda.

Em declarações à agência Lusa à margem da entrega da nova aeronave, o oitavo 777 da frota da companhia de bandeira, três dos quais recebidos desde 2014, o presidente do Conselho de Administração da TAAG, Peter Hill, disse que a nova aeronave, que custou 170 milhões de dólares (151 milhões de euros), vai operar a rota para Portugal.

"Vamos passar a voar duas vezes por dia para Portugal e para isso precisávamos de um segundo avião, que é este. Todos os nossos voos para Portugal serão com este nível de avião, que é muito bom", afirmou.

Entre outras alterações a partir do final de outubro, a TAAG passa a voar 11 vezes por semana para Lisboa (mais quatro voos, à tarde), mantendo três para o Porto, com recurso ao "Morro do Moco" e ao "Iona". Este último é o segundo Boeing 777-300 ER da encomenda de três aeronaves feita em 2012 pelo Estado angolano à construtora norte-americana e que entrou ao serviço em junho último.

"São dois aviões irmãos que vamos utilizar no serviço para Portugal", explicou Peter Hill.

Segundo a empresa, as rotas para Portugal são as mais lucrativas da TAAG, sendo apresentadas como ‘premium’.

O primeiro Boeing 777-300 ER desta encomenda chegou a Luanda em 2014.

"A TAAG torna-se, neste momento, a líder africana neste modelo de aeronaves e o programa de reestruturação e de reformas na companhia vai continuar, por forma a tornar a TAAG numa empresa rentável, eficiente, eficaz e que preste bom serviço aos passageiros", destacou o ministro dos Transportes angolano, Augusto da Silva Tomás, presente na receção da nova aeronave, que viajou diretamente dos Estados Unidos para Luanda.

A Lusa noticiou em 31 de agosto que o Estado angolano contraiu um empréstimo intercalar de 153,6 milhões de dólares (136,6 milhões de euros) para garantir a entrega do terceiro avião Boeing 777-300 ER.

De acordo com um despacho assinado pelo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, que também concede uma garantia soberana à operação, trata-se de um "empréstimo intercalar" concedido pela Boeing Capital Corporation (BCC), justificado pela "necessidade" da "pontualidade da entrega por parte do fabricante".

Trata-se de um empréstimo intercalar, tendo em conta o financiamento previsto pelo Exim Bank (banco de fomento das exportações norte-americanas) para esta aquisição, mas que ainda não estará disponível.

A entrega desta aeronave pela norte-americana Boeing, a última de uma encomenda de três, chegou a ser anunciada para junho passado pelo administrador da companhia aérea de bandeira angolana. Desde então, a TAAG tem vindo a cortar várias ligações menos lucrativas, de forma a reduzir os prejuízos.

Estas aeronaves têm capacidade para transportar 225 passageiros em classe económica, 56 em executiva e 12 em primeira classe, possibilitando o acesso a telemóvel e internet a bordo.

A companhia assegura 31 destinos domésticos e internacionais com recurso a cinco aviões Boeing 737 e oito 777 (200 e 300), incluindo, além de Portugal, Cabo Verde, Moçambique, Brasil e Cuba.