Ao que a TVI apurou, inicialmente, os dois aparelhos eram para a Avianca Brasil, mas nunca foram levados para lá. Efromovich chegou mesmo a pô-los à venda, mas desistiu e acabou por juntá-los à oferta pela TAP.

 

Os dois aviões em causa são dois A330, que estão prestes a ficar obsoletos.

 

Na proposta da colombiana Avianca, o empresário Efromovich promete ter 12 aviões prontos para entregar à TAP até ao final do ano, mas dois estão parados desde o final de 2014 em Espanha.

 

Os dois A330 novos estavam prontos para serem entregues à Avianca Brasil, mas nunca chegaram a sair das instalações da Airbus. Fonte próxima do grupo colombiano garantiu à TVI que não há qualquer atraso no pagamento dos aparelhos e que os aviões apenas aguardam a decisão do Governo sobre a privatização da TAP.

Segundo a mesma fonte, “a disponibilidade imediata destes aviões faz parte da estratégia diferenciadora da proposta do empresário Germán Efromovich para a transportadora aérea portuguesa”.

No entanto, os aviões foram entregues pela Airbus um mês antes de ser cohecido o caderno de encargos da privatização e estão pintados com as cores da Avianca Brasil. Para além disso, a TVI sabe que os dois aparelhos chegaram a estar à venda na Aeroiva, uma empresa especializada em negociar aviões.

 

Nos emails a que a TVI teve acesso, o presidente da Aeroiva, Omar Hussain, tentou vender os dois aviões, durante o mês de fevereiro.

 

Perante a insistência da TVI, fonte próxima da Avianca confirmou que inicialmente os dois aparelhos não se destinavam à TAP e que chegaram, sim, a estar à venda, mas que o grupo colombiano acabou por desistir. Em vez de vender os aparelhos, Efromovich decidiu aumentar o número de aviões à TAP, de 10 paea 12.