O porta-voz da TAP, António Monteiro, disse esta quarta-feira desconhecer qualquer plano de pôr fim aos voos de longo curso a partir do aeroporto do Porto e sublinhou não haver decisão alguma nesse sentido.

O presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, disse esta quarta-feira que a  TAP pretende acabar  com os voos de longo curso a partir do aeroporto Francisco Sá Carneiro, alertando que, nesse caso, a região “pode abandonar” a transportadora.

O presidente da Associação Comercial do Porto (ACP), Nuno Botelho, disse que ainda esta quarta-feira irá enviar uma carta à administração da TAP sobre o eventual fim dos voos de longo curso a partir do Aeroporto Francisco Sá Carneiro.

“Os interesses de Portugal só são importantes quando se fala de Lisboa. Portanto só é português aquilo que é para Lisboa e, desse ponto de vista, não posso deixar de manifestar a minha enorme preocupação sobre esta questão e sobre isso irei escrever uma carta ainda hoje à administração da TAP a solicitar esclarecimentos”, afirmou à Lusa o presidente da ACP.

Nuno Botelho afirmou que a informação divulgada hoje pelo autarca do Porto já circulava há alguns dias, embora sem confirmação.

“Só é pena que tenhamos andado tanto tempo a discutir a importância nacional da TAP, a discutir se valia a pena privatizar ou não a TAP, salvar ou não a TAP e a TAP comporta-se como uma normal empresa que não acautela os interesses nacionais”, disse o dirigente da ACP.

O secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, declarou que, a confirmar-se, o fim dos voos de longo curso da TAP a partir do aeroporto do Porto seria um “grave prejuízo para o interesse nacional”.

“Não apenas colocaria em causa os legítimos interesses de múltiplas comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo, como também e ao mesmo tempo, o próprio equilíbrio no desenvolvimento regional no país, uma vez que o Aeroporto Francisco Sá Carneiro constitui hoje um dos mais importantes aeroportos de todo o noroeste Peninsular e não apenas ponto de chegada, mas interface de ligações internacionais”.

"TAP há muito tempo que abandonou o Norte do país”


Já o presidente da Associação Empresarial de Portugal, Paulo Nunes de Almeida, defende que “a TAP há muito tempo que abandonou o Norte do país”.

“Comentando essa possibilidade atrevia-me a dizer que a TAP há muito tempo que abandonou o Norte do país, especialmente nas ligações para muitos destinos”, lamentou o dirigente da AEP, sublinhando que “mais grave do que isso é que reduziu drasticamente as ligações Porto-Lisboa”.

Desta maneira, “grande parte das pessoas que querem viajar acabam por perder, muitas das vezes, um dia na ligação para Lisboa e no regresso de Lisboa ao Porto”.

“Para mim é uma situação muito grave, inclusivamente quando estávamos a falar de uma companhia de bandeira e detida maioritariamente pelo Estado português. Neste momento, a lógica é outra, estamos a falar de uma lógica de mercado, até porque os novos donos da TAP tomarão as decisões que entenderem, mas é óbvio que para a região Norte, se isso acontecer, é ainda mais negativo do que já era”, declarou Paulo Nunes de Almeida.