A TAP vai avançar de imediato com a renovação integral da frota da Portugalia (PGA), composta por 16 aviões, num investimento de cerca de 400 milhões de euros, adiantou à Lusa fonte do setor.

Além da aquisição de novos aviões, o plano de investimento na transportadora com vocação regional prevê um aumento da frota, que atualmente tem seis Fokker 100, oito Embraer 145Private e dois Beechcraft 1900D.

Este é um dos investimentos que o presidente executivo da TAP, Fernando Pinto, irá anunciar hoje em conferência de imprensa, pelas 12:00.

Desde a privatização da companhia aérea nacional, formalizada a 12 de novembro, os novos donos da TAP - os empresários Humberto Pedrosa e David Neeleman - anunciaram a encomenda de 53 aviões à Airbus Widebody e de corredor único, onde se incluem 14 A330-900neo e 39 A320neo (15 A320neos e 24 A321neos), a que se juntam agora os novos aviões para a PGA.

Entretanto, prosseguem as negociações entre o Governo e os acionistas maioritários, que controlam 61% do capital da TAP, na tentativa de chegar a um acordo para que o Estado recupere a posição maioritária na empresa.

"Há negociações e vai haver muito mais", afirmou o empresário Humberto Pedrosa, que controla a TAP juntamente com o David Neeleman, na quarta-feira à noite, no final do encontro com o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques.

Em declarações aos jornalistas, Humberto Pedrosa disse que ainda "não há propostas concretas".

"Tudo está em cima da mesa", afirmou no final daquela que foi a terceira reunião com o Governo liderado por António Costa.

Por seu lado, fonte do gabinete do ministro Pedro Marques disse que as negociações vão continuar.

Pedro Marques escusa-se a revelar as negociações em curso, nomeadamente quais as contrapartidas oferecidas ao privados, mas tem-se mostrado confiante de que o Governo venha a atingir o objetivo de ter a maioria do capital do grupo dono da TAP.

A primeira reunião entre as duas partes decorreu a 17 de dezembro de 2015.