A greve de quatro dias que os sindicatos anunciaram na TAP, para os  dias 27,28,29 e 30 de dezembro, pode custar à empresa até 36 milhões de euros. Segundo o Diário Económico, as contas implicam uma perda de oito a nove milhões de euros por dia numa das épocas mais lucrativas para o setor.

O presidente da transportadora, Fernando Pinto, admitiu na terça-feira que o resultado orçamental para 2014 dificilmente será atingido e que não sabe se a companhia vai chegar aos lucros.

Esta greve é mais um protesto dos trabalhadores, que contestam o modelo de privatização da empresa, acusando o Executivo de querer excluir os trabalhadores de todo o processo.

A TAP r emeteu para mais tarde uma eventual resposta ao anúncio de greve avançado pelos 12 sindicatos ligados à empresa, alegando, em comunicado no Facebook, não ter recebido qualquer pré-aviso. 

Governo e sindicatos reúnem esta sexta-feira, informou o ministro da Economia, durante uma visita a Boston (EUA). Questionado sobre se a marcação da greve é definitiva ou se poderá haver alterações, Pires de Lima disse que iria «transmitir em primeira-mão aos sindicatos aquilo» que é a sua «sensibilidade relativamente a esta matéria».