O presidente da TAP admitiu esta segunda-feira que os recentes problemas enfrentados pela companhia prejudicam a imagem da empresa e sublinhou ainda que a companhia aérea deve preparar-se para a greve de pilotos anunciada para 09 de agosto.

Fernando Pinto referiu ainda que os cancelamentos, atrasos e demais problemas nos voos da TAP já foram ultrapassados e a companhia aérea já está a trabalhar dentro da «normalidade», porém admitiu que os factos recentes prejudicam «a imagem da empresa».

TAP: greve de 9 de agosto pode afetar 40 mil passageiros

O presidente da TAP falava à margem da assinatura de um protocolo de cooperação, formação e capacitação nas áreas das migrações e controlo de fronteiras entre Portugal e Guiné-Bissau, em Lisboa.

«Foi uma sequência de problemas, que neste período, sem dúvida nenhuma, afetaram a imagem da TAP», disse Fernando Pinto.

«Tivemos, e eu reconheço isso, atrasos num período de 15 dias, não na entrada dos novos serviços, mas principalmente no início da Copa do Mundo [Mundial de futebol] no Brasil, que teve uma série de voos afetados, por várias razões, aeroportos e outros, ainda antes da necessidade dos novos aviões. Isso se estendeu até o início de julho», disse.

O presidente disse que a companhia aérea não tem tido agora voos cancelados e os resultados da última semana indicam que os cancelamentos estão abaixo até da média normal da empresa.

«O que nós fizemos foi uma reestruturação dos voos já para o futuro, onde nós ainda tínhamos condições na reserva de acomodar os passageiros normalmente. Nós estamos, na situação atual, com plena normalidade», sublinhou.

«Na realidade, nós temos 10 mil voos por mês e sofreram reestruturação 40, 50 voos e estes foram para o sistema para avisar os agentes de viagem que estávamos a mudar os horários dos voos, não foram cancelados», sublinhou.

Fernando Pinto disse que «de maneira nenhuma» estes problemas vão afetar a privatização da companhia, pois os interessados neste processo conhecem bem a empresa.

«A TAP está cada vez melhor», disse, sublinhando os bons resultados da companhia aérea, que passou apenas por um período menos bom no último mês e que já está «num novo caminho».

Sobre a greve dos pilotos, Fernando Pinto disse que esta é «muito difusa», sublinhando a proximidade de eleições que devem decorrer no sindicato desta categoria.

Fernando Pinto afirmou que a TAP tentou resolver o problema da greve negociando os 14 pontos que foram colocados pelo sindicato, sendo que doze deles foram atendidos «plenamente».

Razões internas e de política sindical não permitiram que a questão da greve do dia 09 de agosto fosse resolvida.

«O mais prudente, no caso da empresa, é se preparar para ela (greve), preparar os passageiros, preservar a imagem» da companhia aérea, indicou ainda Fernando Pinto.