Apesar da plataforma de sindicatos ter desconvocado a greve na TAP, mas a transportadora não está a sentir impacto nas reservas de última hora.
 
Muitos passageiros já tinham anulado os voos ou procurado outras alternativas.
 
A paralisação estava prevista para os dias 27,28,29 e 30 de dezembro, mas acabou por ser desconvocada na véspera de Natal. Nove das doze estruturas sindicais chegaram a acordo com o Governo para criar um grupo de trabalho com vista a estudar as condições da privatização da companhia aérea portuguesa.
 
Recorde-se que o Governo decidiu avançar com uma requisição civil, depois dos trabalhadores insistirem na paralisação. O Tribunal Arbitral chegou a decretar os serviços mínimos para a greve.
 
Num depoimento sobre o que esperar de 2015, o presidente da TAP, Fernando Pinto, diz estar otimista. O responsável sublinha que a descida dos preços do petróleo vai ajudar a economia portuguesa e que o turismo continuará a ser um dos principais motores da economia.

No dia 23, o Presidente da República promulgou a privatização da companhia aérea. Significa isto que o Governo poderá apresentar o caderno de encargos quando assim o entender.