O calendário de assistentes de bordo da Ryanair deste ano foi proibido de ser vendido em Espanha. A juíza Amanda Cohen proibiu a venda seguindo uma queixa de um grupo de consumidores.

Segundo o site «Low Cost Portugal», o grupo Adecua apresentou queixa, relevando que o calendário tinha «cariz sexual» e exigiu que fosse banido.

O Tribubal de Malaga acedeu ao pedido e ordenou o fim da venda.