Os comandos do destino da TAP continuam a falar português do Brasil, pelo menos até 2020.

Antonoaldo Neves é o senhor que se segue e, tal como Fernando Pinto, que esteve 17 anos à frente da transportadora aérea, também tem dupla nacionalidade – portuguesa e brasileira.

Mas há mais aspetos que unem os dois homens. Tal como o presidente executivo de saída, também o futuro tem avós portugueses, com origem, um deles, em Oliveira de Azeméis.

Quanto à carreira, essa, tem origem do outro lado do Atlântico, depois dos estudos superiores iniciados na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. E a história profissional deste engenheiro de formação já conta com vários anos de experiência ligados à aviação civil, 25 dos quais fora do Brasil.

Com 42 anos de idade, começou a carreira na Odebrecht, como engenheiro de Montagem de Obras Eletromecânicas.

Chegou a ser sócio global da consultora McKinsey, onde desenvolveu vários projetos de aviação de infraestruturas no setor privado da América Latina.

Antes de integrar a administração da TAP, foi presidente executivo da Azul, a companhia de David Neelman, um dos acionistas da Atlantic Gateway [maior acionista da TAP], que acabaria por levar até às bolsas de Nova Iorque e São Paulo.

Um curriculum que terá servido de argumento para a escolha do nome Antonoaldo Neves para a liderança da companhia portuguesa. Cargo que será efetivo a 31 de Janeiro quando serão escolhidos os órgãos sociais para o próximo mandato 2018-2020.