O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) pediu, esta segunda-feira, a intervenção do Ministério do Trabalho para a reabertura das negociações salariais com a Groundforce, numa tentativa de ultrapassar o conflito que levou à greve do fim de semana.

Depois de dois dias de greve do pessoal da Groundforce, com uma adesão "bastante acima do esperado", Fernando Henriques, dirigente do SITAVA, disse à agência Lusa que foi enviado já um pedido à Direção Geral das Relações de Trabalho para que reative o processo de conciliação no sentido de serem retomadas as negociações entre a empresa e os representantes dos trabalhadores.

"Esperamos que em breve possamos estar sentados à mesa das negociações para conseguir a revisão salarial de 2015", disse o sindicalista.

O Sitava reivindica aumentos salariais de 50 euros para os trabalhadores que ganham até 680 euros e de 30 euros para os que ganham mais de 680 euros.

Os trabalhadores da SPdH - Serviços Portugueses de Handling (Groundforce Portugal) contestam a "postura de desrespeito" da empresa de assistência em terra e reivindicam a revisão dos horários de trabalho e dos salários e o fim da precariedade laboral.

A empresa de assistência em terra, nos aeroportos de Lisboa, Porto, Funchal e Porto Santo é detida em 49,9% pela TAP e em 50,1% pela Urbanos.