A Groundforce Portugal, empresa que presta assistência nos aeroportos, indicou que a operação «encontra-se a decorrer sem o cancelamento de quaisquer voos», apesar da greve dos trabalhadores.

A empresa faz notar em comunicado que «está em causa uma greve convocada por apenas um dos seis sindicados [o SITAVA – Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos] afetos ao sector do ‘handling’ [assistência em terra] e que, apesar de alguns constrangimentos próprios de uma greve e do aumento habitual da atividade nesta época do ano, os aviões estão a partir e os serviços mínimos decretados encontram-se a ser cumpridos».

A empresa afirma que, segundo o sindicato que convocou a paralisação, «o principal motivo da greve de 24 horas tem a ver com a necessidade de constituição de um Acordo Coletivo de Trabalho para o sector do‘handling».

«A Groundforce compreende a necessidade de construção de um Acordo Coletivo para o sector, mas entende que a convocação de uma greve não é a solução», sustenta a Groundforce.

Para esta paralisação são igualmente referidas pelo sindicato condições de «precariedade» associadas ao âmbito laboral que, para a empresa, «em nada refletem a realidade da Groundforce».

«A greve foi, igualmente, decretada em todas as outras empresas prestadoras de serviço de assistência em terra nos aeroportos nacionais», lê-se no comunicado.

O dirigente do SITAVA Fernando Henriques disse esta manhã à Lusa que o aeroporto de Lisboa está a recorrer «ao trabalho temporário em dia de greve» e referiu que a adesão «está a ser um sucesso, pois no primeiro turno aderiram cerca de 80% dos trabalhadores».

No entanto, em declarações também feitas à Lusa, fonte oficial da TAP, acionista da Groundforce, garantiu que a greve dos trabalhadores do handling no aeroporto de Lisboa está a ter «um impacto controlado».

«Nas partidas dos voos têm-se registado alguns atrasos, entre meia hora a três quartos de hora, e houve dois voos cancelados para Paris e Londres. Mas nestes dois casos os passageiros foram recolocados em voos que sairão ainda hoje», concluiu.