"Daremos prioridade a todos os investimentos e gastos previstos, mas faremos cortes naquilo que não é estritamente necessário, como já foi anunciado", adiantou Mathias Müller.