O departamento de Justiça norte-americano processou o grupo Volkswagen por ter instalado dispositivos ilegais de manipulação de emissões.

Segundo a Bloomberg, o processo civil deu entrada esta segunda-feira e as multas podem chegar aos 80 mil milhões de dólares (74,4 mil milhões de euros), cerca de quatro vezes mais do que as estimativas de alguns peritos legais.

O grupo pode enfrentar ainda com processos da Procuradoria dos EUA, enquanto os reguladores de pelo menos sete países, incluindo Alemanha, têm processos de investigação a decorrer.

As ações preferenciais do grupo tombaram 5,5% na Bolsa de Frankfurt, a maior queda dois últimos dois meses.

A 18 de setembro foram conhecidos publicamente os resultados de testes a emissões poluentes de viaturas equipadas com motores diesel do grupo. Concluiu-se que há viaturas equipadas com um dispositivo que permite a manipulação de informação relativa a emissões poluentes, tendo o grupo alemão admitido a existência em todo o mundo de 11 milhões de carros nestas circunstâncias.

Em outubro, a Volkswagen anunciou que iria cortar cerca de mil milhões de euros por ano nos investimentos planeados, para tentar acelerar o plano de eficiência posto em prática para mitigar as perdas sofridas devido ao escândalo da manipulação de emissões poluentes. 

O presidente executivo da Volkswagen nos Estados Unidos admitiu que soube no início de 2014 da manipulação de dados sobre emissões dos veículos do grupo.  

Na sequência do escândalo,  Martin Winterkorn, presidente executivo da Volkswagen, demitiu-se.  Matthias Müller, que era até então presidente da Porsche, passou à presidência executiva do grupo.