O ministro alemão dos Transportes revelou esta quarta-feira que há 98 mil veículos a gasolina suspeitos de terem emissões de CO2 manipuladas, revela a Reuters.

“Disseram-nos hoje que entre os veículos afetados estão 98 mil veículos a gasolina”, adiantou Alexander Dobrindt no parlamento alemão.

O responsável sublinhou que a Volkswagen terá que rever, sob supervisão estatal, todos os modelos para determinar o impacto das emissões de CO2 no imposto de circulação e nas metas de proteção ambiental do Governo.

Em declarações aos jornalistas, Alexander Dobrindt disse que uma emissão poluente maior implica um imposto de circulação mais alto, o que poderia representar um encargo acrescido para os clientes da VW.

"Confio que chegaremos a uma solução que não afete os clientes da Volkswagen, esta tem a obrigação de evitar que haja novos gastos para os seus clientes"


A Volkswagen admitiu esta terça-feira que pode haver mais 800 mil veículos afetados com o kit de manipulação de emissões.

Segundo o Daily Telegraph, em causa estarão também motores como de 1.4 litros como o Polo e o Golf e alguns veículos da Seat, Skoda, e os Audi A1 e A3.

Já esta quarta-feira o grupo anunciou que está a investigar como se dividem por marca e modelo os 800 mil veículos que reconheceu que apresentam "irregularidades" na certificação de emissões de CO2.

Fontes da Volkswagen em Espanha asseguraram à EFE que "qualquer número ou modelo que se diga" sem ter sido confirmado pelo grupo alemão a partir da sede de Wolsburgo são "meras especulações". 

Também esta quarta-feira o construtor automóvel alemão  anunciou que vai chamar às oficinas 91.800 veículos nos Estados Unidos devido a uma anomalia que pode provocar problemas de travagem. 

Os modelos afetados são veículos a gasolina dos modelos Beetle, Golf, Jetta e Passat, indicou em comunicado a VW.