O Ministério Público alemão não abriu qualquer inquérito formal contra o ex-presidente executivo do grupo Volkswagen, avança a France Presse.

A notícia vem contradizer uma outra, avançada pela Bloomberg na passada segunda-feira, que referia que as autoridades germânicas tinham aberto uma investigação a Martin  Winterkorn, por suspeitas do crime de fraude pela manipulação das emissões de gases poluentes. 

O escândalo no seio do grupo, revelado no passado dia 18 de setembro,   custou o lugar  do presidente executivo do grupo Volkswagen,  Martin Winterkorn , que foi substituído por   Matthias Müller , ex-presidente da Porsche, uma das marcas do grupo.  

O presidente demissionário da Volkswagen, Martin Winterkorn, saiu da liderança da construtora automóvel alemã com uma pensão de 28 milhões de euros. 

O maior fabricante do mundo de automóveis em vendas no primeiro semestre deste ano enfrenta um emaranhado cada vez maior de ameaças legais depois de ter admitido que 11 milhões de seus carros a diesel em todo o mundo estão equipados com um software capaz de enganar os testes oficiais de poluição.