A Volkswagen admitiu esta terça-feira que pode haver mais 800 mil veículos afetados com o kit de manipulação de emissões, revela a Reuters.

O grupo estima que os riscos económicos decorrentes desta nova descoberta possam ascender a dois mil milhões de euros, mas não adiantou mais pormenores nem especificou as marcas ou tipos de motores afetados.

“A administração vai iniciar imediatamente um diálogo com as autoridades responsáveis à luz destas descobertas”


Segundo a AFP, essas “inconsistências” detetadas pelo fabricante estão relacionadas com as emissões de dióxido de carbono, ou seja, diferente da manipulação de óxido de azoto que deu origem ao escândalo.

“Durante as investigações internas foram encontradas inconsistências inexplicáveis nos níveis de CO2. Cerca de 800 mil veículos estão afetados”


A notícia surge um dia depois da Agência Ambiental norte-americana ter denunciado que o grupo instalou dispositivos de manipulação de emissões poluentes em automóveis com motores 3.0, incluindo o Touareg 2014, Porsche Cayenne 2015 e Audi A6 Quattro 2016. A entidade disse ainda que este "kit" fraudulento foi também incorporado nos modelos automóveis A7 Quattro, A8, A8L e Q5, de 2016. 

 A Volkswagen já  suspendeu pelo menos 10 gestores desde que foi conhecido o escândalo em torno da manipulação de emissões, que levou à queda do presidente executivo do grupo,  Martin Winterkorn.   

O grupo anunciou que vai chamar à revisão 8,5 milhões de carros afetados na Europa.