A Volkswagen admite entregar veículos novos a quem comprou os carros a diesel equipados com o kit fraudulento que permite ‘mascarar’ os níveis reais de emissões poluentes.
 
De acordo com a agência Bloomberg, esta é uma das opções em cima da mesa na preparação do plano abrangente que será apresentado pela marca alemã até amanhã, dia 7 de outubro.

A fabricante alemã refere ainda que só na Europa há oito milhões de carros com os motores equipados com o software em causa, segundo uma carta datada do dia 2 de outubro enviada a advogados alemães, a que a Reuters teve acesso.

Este software fraudulento foi equipado em veículos 1.2, 1.6 e 2.0 a diesel com o motor de tipo EA189.

Para resolver o problema do kit fraudulento poderá ser suficiente uma alteração do software, mas a liderança da Volkswagen, agora encabeçada por Mathias Mueller, não exclui a hipótese de trocar os veículos em causa por carros novos.
 
Em causa estão cerca de 11 milhões de carros em todo o mundo e, segundo o importador português da marca, só em Portugal há 94.400.


Escândalo choca o mundo


A Administração de Proteção Ambiental de Taiwan pediu ao Grupo Volkswagen que retire da ilha todos os automóveis afetados pelo ‘software’ que manipulou os dados das emissões de gases poluentes e que compense adequadamente os proprietários.

Em Taiwan, foram detetados 17.744 automóveis das marcas Volkswagen, Audi e Skoda CV equipados com o programa informático desenhado para enganar os testes de emissões poluentes, disse hoje a agência de Taiwan em comunicado.

Os automóveis problemáticos não representam qualquer ameaça para a segurança e, por isso, é-lhes permitido circular, mas é necessário efetuar modificações no sistema no prazo de três meses, indicou a agência.