“Tal como outros fabricantes, estamos a investigar os veículos no mercado relacionados com esta questão e descobrimos que alguns airbags têm uma densidade de gás desequilibrada, que receamos que possa causar dano”, afirmou o porta-voz da Honda.

“É uma medida preventiva e, ao contrário de outras chamadas às oficinas, não vamos aguardar pelos resultados finais da investigação”, acrescentou.