O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, disse esta quinta-feira que eventuais impostos em falta terão de ser regularizados pela Volkswagen após as averiguações que estão a ser feitas relativamente ao caso da fraude nas emissões poluentes.

“No final deste processo, se for determinado que existem impostos em falta, estes terão de ser regularizados”, disse o secretário de Estado em conferência de imprensa, no final de mais uma reunião do grupo de trabalho constituído para acompanhar as consequências do escândalo das emissões dos carros Volkswagen da construtora alemã.

Paulo Núncio lembrou que a situação tem estado a ser acompanhada pelo Governo e pela Autoridade Tributária e que as novas informações obtidas dão conta de que a fraude pode envolver emissões de CO2, que terão implicações fiscais, em Portugal assim como noutros países europeus.

A marca já assumiu perante o governo português que se responsabiliza por todos os custos relacionados com este processo, ou seja, pelos impactos técnicos, ambientais e fiscais.

A 18 de setembro foram conhecidos publicamente os resultados de testes a emissões poluentes de viaturas equipadas com motores ‘diesel’ do grupo Volkswagen, relativamente às marcas Volkswagen, Audi, Seat e Sköda, concluindo-se pela existência de viaturas equipadas com um dispositivo que permite a manipulação de informação relativa a emissões poluentes.

O grupo alemão admitiu a existência de 11 milhões de carros nestas circunstâncias, e em Portugal, de acordo com informação divulgada pela SIVA, representante das marcas Volkswagen, Audi e Sköda, estima-se que existam cerca de 94 mil viaturas afetadas, mais 23 mil da marca Seat, totalizando 117 mil veículos.