O verão vai ser mais quente na hora de pagar a portagens na Ponte 25 de Abril em agosto. Vai voltar a não haver isençã. Uma decisão que o Governo justifica um orçamento mais apertado.

Já para quem conduz em determinadas vias vai haver algumas benesses, cumprindo aquilo que tinha sido definido pelo Executivo. A partir de 1 de agosto, o preço das portagens desce em algumas destas autoestradas

Mas como há sempre um "mas", o desconto não vai abranger todas as ex-scut, nem tão pouco o ano todo, apenas os meses de verão.

Nas cinco vias abrangidas, o desconto médio para um veículo ligeiro é de 15% e de 30% aos fins-de-semana. Contas feitas:

A23

Percorrer a autoestrada da Beira Interior, a A23, que é a mais cara, vai passar a custar pouco mais de 14 euros, ou seja, o utilizador poupa quase 2 euros e meio.

A25

Na A25, as autoestradas da Beira Litoral e Alta, a poupança chega aos 3,40 euros. Com uma extensão de 173 quilómetros, o valor a pagar será de 11 euros e meio.

A24

A autoestrada do Interior Norte, a chamada A24, conta com um desconto de quase 2 euros, para um custo de passagem de 10,35 euros.

A22

No Algarve, destino de férias de milhares de portugueses, um condutor poupa 1 euro e meio e passará a pagar perto de nove euros na A22 ou Via do Infante. Com 18 pontos de acesso, esta autoestrada liga Lagos a Vila Real de Santo António.

A4

Na mais barata, a A4 ou autoestrada transmontana, entre Amarante e Bragança, o custo para o utilizador será de 1,25 euros, já com um desconto de 15 cêntimos.

Ao todo são 550 quilómetros de autoestrada a contar com esta redução de preços.

O regime de descontos em algumas autoestradas foi anunciado na Covilhã pelo ministro da tutela, Pedro Marques, onde presidiu à cerimónia de apresentação do Plano de Mobilidade para o Interior.

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas afirmou que a redução das portagens no Interior poderá implicar uma perda de cerca de 13,6 milhões de euros nas receitas do Estado, o que considerou um esforço para apoiar o Interior.

“Com as indicações que temos, com os estudos internacionais que temos, admitimos que na totalidade das autoestradas onde alterámos os preços possamos ter uma diminuição de receita de 13,6 milhões de euros”, afirmou o governante.