O Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI), que representa os revisores e trabalhadores das bilheteiras da CP, anunciou esta terça-feira que avançou com um pré-aviso de greve para o dia 26 de novembro.

O sindicato independente adianta, em comunicado, que a greve terá a duração de 24 horas e pretende contestar as «medidas contidas na proposta de Orçamento do Estado para 2014, que se traduzem na redução efetiva dos rendimentos dos trabalhadores ferroviários», bem como a decisão do Governo de «retirar os descontos nas tarifas dos idosos e dos estudantes» que viajam nos comboios da CP.

A paralisação visa também «lutar» contra o encerramento de linhas ferroviárias onde a CP assegura o serviço de passageiros, os «projetos de privatização/concessão» de linhas exploradas pela transportadora ferroviária e o congelamento das evoluções nas carreiras e diuturnidades desde 2010 até à data, «com perda direta no poder de compra».

Os trabalhadores do setor dos transportes e comunicações vão manter os protestos contra as medidas previstas no Orçamento do Estado, tendo agendado greves para o período de 29 de novembro a 06 de dezembro.

Para já, são conhecidas algumas datas que, apesar de não coincidirem com a semana marcada, se juntam aos protestos contra o OE.

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa vão avançar com duas greves parciais a 19 e 21 de novembro, das 05:30 às 09:30 para a generalidade dos trabalhadores e das 08:00 às 12:30 para os trabalhadores administrativos e técnicos superiores.

Na Transtejo, que assegura as ligações fluviais entre Lisboa e a Margem Sul, os trabalhadores param a 25 de novembro e os da STCP, no Porto, no dia seguinte.

Os trabalhadores dos CTT vão estar em greve a 29 de novembro e nos dias 27, 30 e 31 de dezembro.