O ministro das Finanças disse esta segunda-feira que o resgate do Banif fará aumentar o défice de 2015 em mais de um ponto percentual do PIB, e que um possível procedimento por défices excessivos por parte da Comissão Europeia terá que se esperar.

Mário Centeno, que falava aos jornalistas após o Conselho de Ministros extraordinário, afirmou que o impacto nas contas públicas será de 2,2 mil milhões de euros, sendo que em termos de défice, embora seja ainda difícil de calcular, por as contas não estarem fechadas, "vai fazer aumentar o défice em mais de um ponto percentual do Produto Interno Bruto (PIB)".

O ministro das Finanças acrescentou que "o impacto no défice decorre da alteração que está a ser proposta à lei orçamental", o Orçamento Retificativo, sendo que a saída do procedimento dos défices excessivos "é um processo de avaliação que a Comissão Europeia irá desenvolver a partir do momento em que for apurado o défice de 2015".

O Conselho de Ministros aprovou esta segunda-feira um pacote de 2,2 mil milhões de euros para injetar no Banif. O ministro das Finanças, Mário Centeno, sublinhou que 1.766 milhões de euros vêm do Estado e 489 milhões de euros são emprestados ao Fundo de Resolução. 

O ministro das Finanças sublinhou a “urgência” e “sensibilidade” do processo de reestruturação do banco, já que as alterações regulatórias que têm lugar a 1 de janeiro vão tornar “mais gravosos” os processos de resolução bancária.

O Governo aprovou em Conselho de Ministros e vai apresentar hoje mesmo o orçamento retificativo na Assembleia da República, na sequência do processo Banif, anunciou hoje o ministro das Finanças, Mário Centeno.

Em conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros, o governante disse que o orçamento retificativo, discutido e aprovado na reunião do Executivo, será apresentado ainda hoje.

O orçamento retificativo surge na sequência da venda do Banif ao Banco Santander Totta, por 150 milhões de euros, um processo que envolve um apoio público estimado de 2.255 milhões de euros.