A companhia aérea de baixo custo easyJet tem uma nova regra: quem se atrasar mais do que 30 minutos e queira, depois disso, passar pelo controlo de segurança, vai deixar de poder embarcar e seguir viagem.

O aeroporto de Gatwick, em Londres, vai atualizar as barreiras de segurança precisamente para reforçar o controlo sobre quem ultrapassou o prazo limite agora anunciado.

Até aqui, havia alguma condescendência para com os passageiros que transportavam apenas bagagem de mão, que corriam para a porta de embarque no último minuto, na esperança de ainda integrarem o voo em causa. E muitos conseguiam.

Mas tudo vai mudar. A easyJet já aestá a avisar os clientes, com uma nota nos cartões de embarque onde se lê, segundo o "The Telegraph".

"As portas de controlo de segurança em Gatwick estão a ser automaticamente programadas para fechar 30 minutos antes da partida".

Há, de resto, estimativas sobre quantas pessoas é que a medida poderá afetar. É que, todos os anos, 15 milhões de passageiros que voam de Gatwick para outros destinos chegam para lá desse tempo. Poderão ser confrontados com a anulação da sua viagem ou então serem convidados a pagar 80 libras (cerca de 105,3 euros) para conseguirem um voo alternativo.  

A nova regra poderá causar indignação, sobretudo entre os passageiros que fazem viagens de curta distância, que optam por apanhar um voo em vez de andar de comboio, precisamente porque poupam tempo.