Os novos órgãos sociais da Associação Portuguesa de Bancos (APB) para o triénio de 2015-2017 foram eleitos por unanimidade, em assembleia-geral, esta terça-feira, tendo Fernando Faria de Oliveira sido reconduzido como presidente.

«Continuaremos a trabalhar no fortalecimento da banca, designadamente através da melhoria da sua rentabilidade, para que possa ser reforçado o papel do setor no financiamento das empresas e dos cidadãos e o seu contributo para o necessário crescimento da economia portuguesa», sublinha Fernando Faria de Oliveira, a propósito do novo mandato, num comunicado entretanto enviado às redações.

O presidente da APB realça que, entre os grandes objetivos dos bancos associados, para os próximos anos, terá igualmente de estar «uma grande proatividade nas matérias comportamentais e de governo societário».

À frente da APB desde 2012, Fernando Faria de Oliveira sublinha ainda «a importância para o setor de uma sólida relação de confiança da banca com a sociedade e, principalmente, com os seus clientes».

Também reconduzido foi o presidente do BCP, Nuno Amado, no cargo de vice-presidente.

Foram igualmente reconduzidos os vogais: José de Matos (Caixa Geral de Depósitos), Fernando Ulrich (BPI), Eduardo Stock da Cunha (Novo Banco), António Vieira Monteiro (Santander Totta), Licínio Pina (Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo), Jorge Tomé (Banif), Carlos Rodrigues (Banco de Investimento Global).

O cargo de presidente do conselho fiscal será ocupado por Rui Semedo, do Banco Popular.