Várias lojas em Portugal aumentaram os preços nas vésperas da Black Friday, para depois apresentarem grandes descontos, acusou esta quinta-feira a DECO, após receber várias queixas dos consumidores.

A Associação de Defesa do Consumidor analisou 1862 produtos de sete lojas online antes e durante o período de promoções e verificou que um em cada 20 produtos com descontos anunciados na Black Friday violou a Lei das Práticas Comerciais Desleais e a Lei dos Saldos e Promoções.
 

"O televisor LG 55UF770V da Worten registou um aumento de 60% uns dias antes da Black Friday. O preço inicial era de 1099 euros, subiu para 1799 euros e na Black Friday foi vendido a 1439,20 euros", denuncia a DECO em comunicado.


A situação pode ter levado os consumidores a adquirir um produto por acreditar que está a poupar, quando, segundo a associação, não está.
 

"O televisor LG 32LF5610 na Radio Popular custava 319,99 euros a 16 de novembro, mas nos dias seguintes apresentava um preço de 399,99 euros. Na Black Friday, o mesmo televisor custava 359,99 euros. Portanto, o preço do televisor subiu cerca de 80 euros, para descer quase 40 euros na Black Friday. Analisando os preços, ganhava mais em comprar a 16 de novembro".


A Deco denunciou o caso à ASAE e à Direção-Geral do Consumidor, solicitando que sancionem as empresas em causa. As coimas podem chegar aos 45.000 euros por cada caso denunciado.