A empresa Arrow Global, que contratou a ex-ministra Maria Luís Albuquerque como administradora não executiva, disse hoje que não beneficiou em Portugal de qualquer isenção de impostos ou benefícios fiscais, quer diretamente, quer através de subsidiárias.

“Nem a Arrow Global nem nenhuma das suas subsidiárias portuguesas receberam benefícios fiscais contratuais em Portugal”, refere a empresa numa declaração escrita hoje divulgada, a propósito da polémica relacionada com a contratação da ex-ministra e agora deputada pelo PSD.

Os deputados de PS, PCP e BE pediram hoje esclarecimentos adicionais sobre outras empresas que integram o grupo financeiro britânico Arrow Global, depois de hoje à tarde a subcomissão de Ética da Comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias se ter reunido à porta fechada para ouvir a antiga governante sobre a sua nova situação profissional, tendo a própria informado os seus pares de mais empresas do conglomerado de gestão de créditos.

"Na sequência do que foi transmitido, vamos solicitar mais informações complementares, nomeadamente quanto à possibilidade de identificação do universo de empresas abrangidas pelo grupo", afirmou o socialista Pedro Delgado Alves.

PCP e BE também anunciaram que vão solicitar mais informações sobre outras empresas do grupo Arrow Global no âmbito da subcomissão de ética.

A deputada Maria Luís Albuquerque não prestou declarações à comunicação social depois da audição na subcomissão de ética.