No mercado imobiliário ninguém tem dúvidas: poucos são os proprietários de casas que, quando pensam em arrendá-las, fazem contratos a mais de um ano. E a cláusula do "renovável por igual período" é cada vez menos usada, noticia o Diário de Notícias.

Os senhorios querem ter a liberdade de escolher os inquilinos ou de subir a renda. No ano passado, foram celebrados 84.383 contratos de arrendamento e estima-se (porque números oficiais não há) que mais de metade sejam a 12 meses. Romão Lavadinho, presidente da Associação de Inquilinos Lisboneses (AIL), vai mais longe e refere que, na atual conjuntura de aumentos, não são apenas os novos que correm riscos - "neste momento, há mais de 500 mil inquilinos precários."

Com as rendas a subirem para preços nunca antes vistos, sobretudo nas zonas de Lisboa e do Porto, e com a procura a superar largamente a oferta, são cada vez mais os casos de famílias confrontadas com valores que ultrapassam em muito o poder da sua carteira ou com ordens para saírem da casa e darem lugar a um novo inquilino, disposto a pagar mais.