O Plenário Nacional de Sindicatos da CGTP reúne-se, esta quarta-feira, para discutir as alterações da legislação laboral relativas à contratação coletiva e as ações de luta decididas para lhes dar resposta.

A central sindical pretende impedir a aprovação na Assembleia da República das novas alterações ao Código do Trabalho que irão prorrogar até ao final do ano a redução do valor pago pelo trabalho extraordinário e reduzir os prazos de caducidade e sobrevigência das convenções coletivas.

No encontro vão estar ainda em discussão os direitos dos trabalhadores do setor público e do privado, as funções sociais do Estado e a dinamização da ação reivindicativa visando o aumento dos salários e do Salário Mínimo Nacional para 515 Euros.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, anunciou no final da manifestação do passado sábado, em Lisboa, a realização do plenário e de uma manifestação nacional a 10 de julho.

O Plenário de Sindicatos da Intersindical, órgão máximo entre congressos, é alargado aos delegados sindicais dos sindicatos da Inter e culmina o período de recolha de pareceres sobre as propostas de lei de alteração ao Código do Trabalho que estão na Assembleia da República.

De acordo com fonte sindical, os participantes no encontro poderão aprovar «uma saída à rua no final do Plenário».