O líder da CGTP, Arménio Carlos, acusou o Primeiro-Ministro de querer fazer uma concertação social «uma caixa de ressonância das políticas do Governo. O sindicalista diz que Passos Coelho apenas admite uma «margem de manobra diminuta» para discutir o Orçamento do Estado de 2014.

A CGTP levou várias propostas à mesa da reunião que Passos Coelho marcou com os parceiros sociais para discutir o OE 2014, mas não terá recebido respostas. Em matéria de IRS, afirmou Arménio Carlos, Passos Coelho terá indicado que será criada uma comissão em 2014. Sobre o salário mínimo, não há qualquer novidade.