As saídas de funcionários públicos para a reforma reduziram 30,5% em 2015 e este ano a quebra é ainda mais acentuada.

Segundo o Diário de Notícias, entre janeiro e setembro aposentaram-se apenas 6 mil trabalhadores, menos 54% do que no ano passado.

Em causa pode estar a meta traçada pelo Governo no Orçamento do Estado que previa a saída de 20 mil funcionários, o que se traduziria numa poupança de cem milhões de euros este ano.

A explicar a diminuição dos pedidos de aposentação estão as fortes penalizações às reformas antecipadas.

Muitos trabalhadores do Estado com carreiras contributivas mais longas estão à espera das compensações prometidas pelo Governo para quem tem mais de 40 anos de descontos.

No próximo ano, as regras de cálculo das reformas vão mudar.