No primeiro semestre do ano os Planos Poupança Reforma sob a forma de seguro captaram 1.215 milhões de euros em aplicações, o montante mais elevado dos últimos cinco anos, escreve o Diário Económico.

As taxas de juro extremamente baixas têm levado os investidores a procurar alternativas mais rentáveis para colocar as suas poupanças, o que está a ajudar a impulsionar os PPR.

A remuneração mínima de 3% oferecida pela maioria dos seguros PPR, e a garantia da maioria do capital investido acaba por captar mais aforradores, assim como a menor tributação à saída.

O valor total das subscrições de PPR registados até junho representa um crescimento de 2,7% face aos 1.183 milhões de euros registados no período homólogo.