O consumo de gasolinas e gasóleo voltou a recuar em 2013, enquanto o de GPL aumentou, segundo dados da APETRO, que estima para este ano uma recuperação, ainda que «ténue».

A APETRO apresentou esta quinta-feira a sua informação sobre o mercado dos produtos petrolíferos em 2013, segundo a qual, no ano passado, foi registada uma nova retração do consumo, com exceção do GPL Auto e do consumo total de GPL, sobretudo devido à crise, que reduziu a atividade no setor do transporte comercial e o consumo dos privados.

Em 2013, o consumo de gasolinas recuou 3,3%, o de gasóleo caiu 2,3% e o de lubrificantes baixou 2,1%, em relação ao ano anterior. Já o consumo de GLP Auto cresceu 7,1% e o total do GLP (gás de petróleo liquefeito) registou uma subida de 48,5%.

No mesmo período, o consumo dos combustíveis para aviação registou uma subida de 1% e os combustíveis para a marinha um incremento de 6%.

Na comparação com 2011, as quedas são mais acentuadas: 12,3% nas gasolinas, 11,1% no gasóleo e 21,7% nos lubrificantes, enquanto no GPL Auto foi verificada uma subida de 15,4% e o total do GPL um crescimento de 21,6%.

«Assistimos em 2013, particularmente na segunda metade, a uma redução do ritmo da queda do consumo. Isso leva-nos a crer que, se se confirmarem os indícios positivos de inversão do ciclo económico, esperamos que haja uma recuperação em 2014, ainda que ténue», afirmou o secretário-geral da Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (APETRO), António Comprido, num encontro com a imprensa.

No que respeita aos preços, em 2013, em termos médios, foi

registada uma descida das cotações do Brent, da gasolina e do gasóleo rodoviário relativamente ao ano anterior, devido ao aumento da quantidade de petróleo não convencional a entrar no mercado, nomeadamente através dos Estados Unidos.

Em 2013, o preço médio de venda ao público da gasolina 95 desceu 3,8% e o do gasóleo rodoviário 4,3%, sobretudo devido à redução das cotações. No caso da gasolina, adianta a APETRO, houve uma diminuição nos custos da atividade de armazenagem, distribuição e comercialização em cerca de um cêntimo por litro e, no caso do gasóleo, um decréscimo no custo da incorporação do biodiesel, também em quase um cêntimo por litro.

No que respeita ao preço médio antes de impostos, Portugal tem na gasolina 95 preços em linha com a média da zona euro e abaixo dos de Espanha, no gasóleo rodoviário, os preços estão cerca de dois cêntimos por litro acima da média da zona euro e ligeiramente abaixo dos de Espanha.

Relativamente aos preços médios de venda ao público, Portugal apresenta, tanto para a gasolina 95 como para o gasóleo rodoviário, valores abaixo da média da zona euro, mas superior a Espanha, devido à maior carga fiscal em Portugal.

A APETRO reúne a BP, Cepsa, Petrogal, Repsol, OZ Energia e Spinerg.