Representantes dos taxistas que se manifestaram esta terça-feira em Lisboa contra o transporte de passageiros pela empresa que utiliza a aplicação Uber afirmaram ter obtido do Governo a garantia de uma rápida resolução do problema.

Taxistas e dirigentes da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) foram recebidos pela ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, a quem entregaram um dossiê explicativo das suas razões.

Os taxistas querem que a empresa que utiliza a aplicação Uber para transportar passageiros deixe de atuar em Portugal.

O ministro da Economia, Pires de Lima, disse esta tarde entender os protestos dos taxistas, mas sublinhou que o serviço precisa de um "enquadramento".

No final do encontro, Florêncio Almeida, dirigente da ANTRAL, mostrou-se satisfeito, referindo que Paula Teixeira da Cruz lhes assegurou que iria discutir com o ministro da Economia uma solução e que terá uma resposta “nos próximos dias”.

“Se isto não for resolvido iremos fazer concentrações espontâneas em qualquer sítio”, afirmou Florêncio Almeida.

O dirigente não admitiu confrontos entre taxistas que se encontravam no protesto e outros que estavam a trabalhar, embora tenham ocorrido, a meio do percurso, algumas altercações e arremesso de ovos. Um repórter fotográfico chegou mesmo a ser agredido com dois murros. Na ocasião, elementos da organização do protesto pediram de imediato desculpa pelo ocorrido.

“Não pretendemos que haja violência. Somos pessoas ordeiras. As autoridades é que devem atuar”, acrescentou o presidente da ANTRAL.

Enquanto dirigentes da ANTRAL eram recebidos pela ministra da Justiça em Lisboa, cerca de mil taxistas concentraram-se frente ao Ministério, ocupando parte da Praça do Comércio, tendo deixado os táxis estacionados na rua da prata.

Anteriormente, os taxistas foram ao Ministério da Economia, mas recusaram-se a ser recebidos pelo Chefe de Gabinete do ministro Pires de Lima.

Neste Ministério, os taxistas têm agendada uma reunião para o próximo dia 21 de setembro.

Cerca de três mil táxis partiram hoje de manhã do Parque das Nações, passando pelo aeroporto e por várias as principais artérias da cidade.

Os taxistas foram também recebidos no Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) onde lhes foi assegurado que todos os processos que a polícia levantou contra a Uber vão ter seguimento, disse Florêncio Almeida.

Protestos idênticos realizaram-se no Porto e em Faro.