O Novo Banco atraiu o interesse comprador de novos investidores institucionais no último mês, para além das quatro propostas recebidas pelo Banco de Portugal (BP) em Junho, e o bancp bom - 'good bank' - está a finalizar os trabalhos cruciais para um eventual - Oferta Pública Inicial -  IPO institucional, segundo o recém-empossado presidente executivo, António Ramalho.

Não existe assim, objetivamente, nenhuma razão, para que o banco não encontre um ou vários acionistas neste processo de venda em curso, nesta ou noutra modalidade", disse António Ramalho, numa nota interna, enviada ontem ao início da noite aos seus colaboradores, a que a Reuters teve acesso.

António Ramalho lembrou que há um mês, quando tomou posse, assumiu com primeira prioridade uma "nova responsabilidade na gestão do capital que envolve o 'management' [gestão] na resolução do problema acionista".

Nesse sentido, continuamos a apoiar intensamente o Fundo de Resolução na venda direta, estamos em vias de terminar os trabalhos essenciais à preparação de um eventual IPO para Institucionais", disse, explicando que foi criada uma equipa para "desenvolver e apresentar várias soluções de capital, alternativas e complementares ao processo em curso".

 

Neste mês também se notou uma renovada atenção dos atuais concorrentes à compra direta do nosso banco, bem como um novo interesse por novos investidores potenciais em ambiente de IPO (Initial Public Offering)", referiu António Ramalho.

O CEO afirmou que esta operação de venda, "sendo realizada da melhor forma possível nas atuais condições de mercado, contribuirá, quer para um futuro desafiante para o banco, quer para a estabilização de todo o sistema financeiro português".

Em 30 de junho, o Banco de Portugal anunciou que recebeu quatro propostas para a compra do Novo Banco, na segunda tentativa de alienação deste banco de transição, que surgiu dos escombros do colapsado Banco Espírito Santo (BES) em meados de 2014.

Fontes financeiras disseram à Reuters que o BPI, o fundo norte-americano Apollo APO.N aliado ao 'private equity' - fundo de capital de risco - Centerbridge, e o 'private equity' Lone Star apresentaram propostas para comprar o Novo Banco. O Millennium bcp entregou uma carta de interesse com determinado perfil, mas sem avançar uma proposta financeira concreta.