A chanceler alemã, Ângela Merkel, considerou esta quinta-feira que a Europa tomou desde o início o caminho correto para ultrapassar a crise e instou de novo todos os países-membros a respeitarem o Pacto de Estabilidade e Crescimento.

«Todos, e sobretudo, os Estados-membros devem respeitar as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento», disse Merkel no plenário do parlamento alemão, antes da próxima reunião do Conselho Europeu.

Para Angela Merkel, o respeito pelas regras do PEC é a «âncora central» para que se volte a confiar na zona euro.

Apesar de crescerem as dúvidas sobre a saúde económica da zona euro, Merkel destacou os «primeiros êxitos» em países como Portugal, Espanha e a Irlanda e recordou que as regras estabelecidas «não caíram do céu», mas foram acordadas depois de longas negociações e aprovadas por uma ampla maioria no Parlamento Europeu.

Merkel referiu, em concreto, o controlo comunitário dos orçamentos nacionais e mostrou-se convencida de que a Comissão Europeia estará «consciente» da sua «responsabilidade central» na altura de fazer cumprir o Pacto de Estabilidade e Crescimento.

«Desde o princípio que estamos no caminho correto, demonstram os primeiros êxitos alcançados pelos países mais afetados pela crise», salientou.

Merkel deu ainda como exemplos o crescimento da produtividade, a melhoria da balança de pagamentos e a redução do défice público nestes países.

No entanto, advertiu para o facto de não se ter ainda alcançado o objetivo e advertiu para o facto de a crise não poder ser dada como ultrapassada.

A chanceler manifestou também a sua «grande preocupação» com as elevadas taxas de desemprego, sobretudo ao nível dos jovens e assegurou que está consciente de que a recuperação da economia é, todavia, «demasiado frágil» para impulsionar o emprego.