A chanceler alemã, Angela Merkel, disse esta quarta-feira que é possível encontrar uma solução para a crise da dívida grega, considerando que “querer é poder”.

“Mas cada dia conta”, observou a chanceler, que falava antes do início de uma cimeira entre a União Europeia (UE) e os países da América Latina e das Caraíbas, lembrando que “o objetivo é manter a Grécia na zona euro”.

Numa altura em que a Comissão Europeia endureceu o tom, insatisfeita com as últimas propostas do governo grego, Merkel indicou estar pronta a encontrar-se, “à margem da cimeira, com o primeiro-ministro grego [Alex Tsipras], juntamente com o presidente francês [François Hollande]”.

Já neste dia o presidente do Parlamento Europeu considerou que a Grécia não tem mais por onde cortar nas pensões.
 
Martin Schulz, referindo-se à nova proposta apresentada por Atenas, defende que, qualquer que seja a solução encontrada para a crise grega, não deve sobrecarregar mais o fardo do povo grego.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande,  reúnem-se esta quarta-feira em Bruxelas , à margem da cimeira, para desbloquear as negociações sobre a assistência financeira a Atenas. 

Trata-se da II cimeira entre a União Europeia (UE) e a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos, que juntará hoje e quinta-feira perto de 60 chefes de Estado e de Governo (dos 28 Estados-membros da União Europeia e dos 33 da Celac), estando Portugal representado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete.