A chanceler alemã Angela Merkel sublinhou esta segunda-feira que apesar dos “êxitos” e do “crescimento económico em Portugal, Espanha e especialmente na Irlanda”, não se pode baixar a guarda na União Europeia, porque a crise “ainda não foi completamente ultrapassada”.

Num discurso dirigido aos colegas do partido no congresso da CDU na cidade de Karlsruhe, a presidente do partido, citada pela EFE, afirmou que vai continuar a defender a necessidade de manter a competitividade e as contas públicas saneadas para que possam ser criados postos de trabalho, uma “necessidade urgente” de alguns países europeus.

No domingo, a chanceler alemã anunciou que que quer “reduzir drasticamente” a entrada de refugiados na Alemanha, uma aproximação ao discurso de membros do seu partido (CDU), que têm criticado a sua política de “portas-abertas”.


“Ouvimos as preocupações das pessoas, que estão preocupadas com o futuro, e isso significa que queremos reduzir, drasticamente, o número de [refugiados] que chegam até nós”.