“Relembramos que a ANAC terá de se voltar a pronunciar relativamente ao controlo efetivo da TAP que, a manter-se a atual estrutura acionista, passaria para as mãos de um cidadão não europeu, o que é proibido pela legislação europeia”, refere a Associação em comunicado hoje divulgado.