As receitas obtidas através da privatização dos CTT servirão para amortizar dívida pública e do setor empresarial do Estado. A aprovação da afetação das receitas foi publicada esta sexta-feira em Diário da República e o dinheiro já esta distribuído.
 
Dos 902 milhões de euros que o Estado amealhou com a operação, 90 milhões, deduzidos 52 milhões de euros já afetos anteriormente, vão para a Parpública, para amortizar a dívida do setor empresarial do Estado.
 
Os restantes 811 milhões, deduzidos os 466 milhões já afetos anteriormente, servirão para amortizar dívida pública.
 
«A Parpública regista as correspondentes contrapartidas da operação realizada, podendo ser definidas outras formas de compensação por parte do Estado», lê-se no diploma.
 
Recorde-se que a privatização dos CTT decorreu em dois momentos: a primeira fase, que ficou concluída em dezembro de 2013, alienou 70% do capital social da empresa, por 560 milhões de euros.
 
Na segunda fase de privatização o Estado alineou os restantes 31,5% do capital social, através
de uma operação de venda institucional com colocação acelerada, que rendeu cerca de 342 milhões de euros.