Sempre a somar. Pelo terceiro ano consecutivo, as fortunas dos 25 mais ricos de Portugal cresceram. Américo Amorim continua a ser o que mais tem. Já Belmiro de Azevedo caiu do pódio, sendo ultrapasado pela família Mello que ocupa o terceiro lugar. Entre as duas posições, continua Alexandre Soares dos Santos, o patrão dos supermercados Pingo Doce, do grupo Jerónimo Martins, cujos lucros continuam a aumentar.

O ranking dos mais ricos de Portugal é publicado na edição de Agosto da revista Exame, que há doze anos publica esta avaliação.

De acordo com a revista que está quinta-feira nas bancas, as fortunas dos 25 mais endinheirados de Portugal mantêm-se em rota ascendente. Em 2015, atingem, por junto, os 15 mil milhões de euros (14,7 mil milhões de euros em 2014 e 14,3 mil milhões em 2013), o que representa 8,3% do Produto Interno Bruto nacional.

Amorim à tona entre os milionários

Pelo terceiro ano consecutivo, o rei das cortiças Américo Amorim continua a ser o mais rico de Portugal, com uma fortuna avaliada em 3 071 milhões de euros, em muito devido à sua participação na Galp. Tem mais 600 milhões de euros do que no ano anterior.

No segundo posto surge Alexandre Soares dos Santos, patrão do grupo Jerónimo Martins. Segundo as contas da Exame, tem 2078 milhões de euros, menos mil milhões do que Amorim.

Em terceiro - destronando Belmiro de Azevedo que caiu para o quarto posto - surge a Família Mello, tutelada por Vasco de Mello, que dirige empresas como a Brisa, Cuf e Mello Saúde e detém 1285 milhões de euros.

Mais pobre ficou Belmiro de Azevedo, já que passou dos 1382,5 milhões para os 1150 milhões de euros.

António da Silva Rodrigues, presidente da Simoldes, é o quinto classificado com 1115 milhões de euros. No ano anterior tinha apenas 967 milhões de euros.