A Noruega anunciou esta sexta-feira que vai proibir a aplicação dos fundos de pensão públicos, contabilizados em ativos de 835 mil milhões de euros, em empresas que não sigam as normas de sustentabilidade ambiental.

No documento intitulado "Livro Branco Nacional", o Governo norueguês propõe a proibição da entrada daqueles fundos no capital de empresas cujos «níveis de emissão de gases de efeito de estufa sejam inaceitáveis».

Esta medida obedece às recomendações de uma comissão de especialistas em ambiente ouvida pelo governo norueguês, refere a agência francesa AFP.

Antes desta decisão governamental, a gestão dos fundos de pensão públicos já era orientada por regras éticas, que não recomendam a entrada de capital em empresas que recorrem ao trabalho infantil e outras produtoras de armas e de tabaco.

Também a nível ambiental, os fundos têm vindo a desvincular-se de empresas que não consideram o ambiente como um ativo.

Entre elas, estão as de combustíveis fosséis das quais os fundos recebem «enormes receitas».
O “Livro Branco” propõe ainda o aumento da quota de investimento em economia verde (empresas ligadas ao ambiente) acima do atual teto de 50 mil milhões de dólares (47 mil milhões de euros).

Estas propostas têm ainda que ser aprovadas pelo Parlamento, em que o Executivo de direita está em minoria.