Os obrigacionistas da operadora brasileira Oi aprovaram na segunda-feira, em assembleia-geral, a autorização para a venda da totalidade das ações da PT Portugal à francesa Altice, mas impondo condições relativamente ao destino do dinheiro da operação.

Aliás, tendo em conta que não estavam na posse de todas as informações, os obrigacionistas da Oi decidiram-se pela realização de uma nova assembleia-geral a 12 de fevereiro, para a qual a operadora brasileira publicará o edital na quarta-feira, segundo um comunicado divulgado pela PT através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A nova assembleia-geral de obrigacionistas terá como tópico de aprovação, por exemplo, que a utilização da totalidade dos valores recebidos na operação seja «exclusivamente para o pagamento de dívidas da companhia e/ou realização de operações societárias que tenham como objetivo a consolidação do setor de telecomunicações no Brasil, inclusive aquisição de participações em outras operadoras de telefonia móvel», refere o comunicado.

Ficou ainda assente que «a companhia não realizará o pagamento de dividendos a seus acionistas, conforme declarados em relação aos exercícios sociais encerrados em 31 de dezembro de 2014 e 2015, ressalvado o pagamento de dividendos mínimos obrigatórios».

Na quinta-feira passada, os acionistas da PT SGPS aprovaram a venda da PT Portugal, detida pela brasileira Oi, à francesa Altice por 7,4 mil milhões de euros.