As empresas que invistam até 5 milhões de euros numa das regiões mais pobres do país vão ter um crédito em IRC que pode ir até 25% do investimento, com a fatia que exceder estes 5 milhões a ter um benefício de 10%, escreve o Jornal de Negócios.

As alterações constam do projeto do novo Código Fiscal ao Investimento, que o Governo aprovou na semana passada em Conselho de Ministros e que deu entrada esta quarta-feira no Parlamento.

O Executivo garante que as novas regras têm por objetivo incentivar o investimento e a criação de emprego, sobretudo nas regiões mais pobres.

As Sartups, por exemplo, podem ficar até 3 anos sem pagar IRC, tudo dependendo dos montantes investidos.

Já os investimentos que criem ou pelo menos mantenham postos de trabalho vêm os benefícios fiscais aumentados de 5 para 8%

Outra das alterações pende-se com a isenção de IMI, que irá passar de 5 para 10 anos, mas atenção que a isenção não será automátyica, já que o IMI é cobrado pelas autarquias.