A agricultura foi o setor que mais contribuiu para a criação de postos de trabalho do primeiro para o segundo trimestre de 2013, disse esta sexta-feira o ministro da Economia, citado pela Lusa.

«O setor agrícola e alimentar recuperou competitividade, com reputação renovada e atrativa para um conjunto de pessoas mais jovens», afirmou António Pires de Lima em Penafiel, onde presidiu à abertura da 34ª edição da Feira Agrícola, Agrival.

Segundo o governante, dos 70.000 empregos gerados pela economia, naquele período, cerca de 45.000 ocorreram no setor agrícola e alimentar.

«Este setor tem dado um importantíssimo contributo, com consistentes passos para o crescimento económico», afirmou.

António Pires de Lima felicitou o setor por ter sido capaz de crescer 6% nas exportações em 2012, tendência que, disse, está a acelerar em 2013, com um crescimento, até ao momento, de 8,3%.

O ministro precisou que a agricultura já representa 10% das exportações portuguesas, e tem ajudado, também, a diminuir as importações do país.

Falando para muitos representantes do setor presentes naquele certame, o governante adiantou também que, nos últimos 12 meses, a agricultura foi responsável por 5% das empresas criadas no país.

«No primeiro semestre deste ano nasceram 1.017 novas sociedades, mais 30% do que no ano passado», destacou, frisando ser «o momento oportuno para agradecer aos que trabalham neste setor».

«Estamos perante um momento de relançamento de um setor que se porta como um cluster integrado», acentuou.