O primeiro-ministro grego afirmou esta segunda-feira que a Grécia analisará a possibilidade de unir-se ao banco de desenvolvimento dos BRICS (formado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), após um convite do vice-ministro das Finanças russo.

“Tsipras expressou o interesse da Grécia em participar no banco e comprometeu-se a examinar a proposta em detalhe e a debatê-la com os líderes dos BRICS, na sua visita a São Petersburgo, onde irá participar no fórum económico de 18 a 20 de junho”, de acordo com fontes do executivo grego, citadas pela agência EFE.

Durante uma conversa telefónica ocorrida esta segunda-feira, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, agradeceu a Sergei Storchak o facto de a Grécia poder converter-se no sexto país a participar naquele organismo, referiram as mesmas fontes.

A informação surge após mais uma reunião do Eurogrupo ter terminado sem acordo. Apesar de alguns "progressos" nas negociações entre os credores e a Grécia, o Eurogrupo considerou que "mais tempo e esforço" são precisos em várias matérias para se chegar a um acordo alargado. 

No comunicado divulgado, os ministros das Finanças da zona euro que se reuniram esta segunda-feira, em Bruxelas, saudaram os "progressos alcançados até agora", referindo sobretudo as melhorias existentes nos procedimentos de trabalho ao nível técnico, o que consideram que "tem contribuído para uma discussão mais substancial". 

No entanto, refere a nota, ainda é preciso "mais tempo e esforço para colmatar as divergências que permanecem". 

Segundo as informações conhecidas, as divergências dizem respeito sobretudo a medidas relacionadas com as pensões, o mercado laboral e as privatizações. 

Entretanto, a ordem para pagar o  reembolso de 750 milhões de euros ao FMI por parte da Grécia já foi dada.