O ministro alemão das Finanças Wolfgang Schäuble reiterou esta quinta-feira a necessidade de se refletir sobre a alteração aos tratados da União Europeia depois das eleições de maio, pelo menos com vista ao reforço do funcionamento da zona euro.

«Depois das eleições europeias, o debate sobre uma alteração aos tratados voltará a estar em cima da mesa», assegurou o ministro numa entrevista ao diário Handelsblatt, defendendo a introdução destas modificações ainda antes das negociações sobre a União bancária.

«O Governo (alemão) pugnará para que haja, pelo menos, um aperfeiçoamento institucional da zona euro. A União monetária precisa de uma política financeira e económica comum», acrescentou Wolfgang Schäuble, citado na entrevista pela AFP.

O ministro alemão considera ainda «possível» a criação de um parlamento específico para a zona euro e do cargo de «chefe do Eurogrupo», que atualmente é presidido por um dos ministros das Finanças da União, neste momento o holandês Jeroen Dijsselbloem.

Adicionalmente, Schäuble afirmou que o crescente euroceticismo sentido em alguns países, assim como a subida sem precedentes dos votos na Frente Nacional, de Marine Le Pen, nas eleições municipais francesas, «não são uma evolução positiva».

«Talvez a crise na Ucrânia faça ver aos europeus o valor da união europeia e os motive a ir às urnas [nas eleições europeias de maio]», sustentou o ministro alemão.