O antigo presidente da Reserva Federal Alan Greenspan afirmou esta segunda-feira que Portugal e Espanha «estão a melhorar», defendendo que a consolidação política na Europa ia melhorar a durabilidade do euro.

Numa conferência proferida hoje na National Association for Business Economics (NABE), na Virgínia, Alan Greenspan dedicou a maior parte da intervenção à situação económica dos Estados Unidos, tendo, no entanto, referido os casos português e espanhol.

Alan Greenspan considera que as economias de Portugal e Espanha «estão a melhorar», mas alertou que o euro sairia reforçado com uma consolidação política na Europa, de acordo com afirmações citadas pela agência de informação financeira Bloomberg.

Quanto aos Estados Unidos, Greenspan afirmou que era preciso que o Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano crescesse 4% ao ano para diminuir as desigualdades entre ricos e pobres.

«Considero que a diferença de rendimento é o mais perigoso entre o que se está a passar nos Estados Unidos», disse, estimando que um crescimento anual do PIB de 4% «iria resolver o problema rapidamente», mas que um crescimento económico dessa grandeza «não está no horizonte».

Greenspan espera «uma revisão significativa em queda» dos valores do PIB no quarto trimestre e disse que é preciso reconhecer que o lento crescimento económico se deve ao «lento crescimento da produtividade», mas também ao mau tempo.