A Grécia luta contra o tempo: só este mês Atenas tem de reembolsar 1,5 mil milhões de euros ao FMI, numa altura em que os credores mantêm congeladas as tranches de ajuda, até que as reformas avancem. 

é já amanhã que começam as reuniões técnicas entre Atenas e o Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e a Comissão Europeia

«Tivemos uma curta discussão sobre a Grécia, focada no processo que já deveria ter começado, depois da decisão de estender o programa. Não há mais tempo a perder», reiterou o presidente do Eurogrupo. Dijsselbloem sublinhou ainda a importância da cooperação entre as instituições e as autoridades gregas, assim como o cumprimento dos compromissos assumidos pelos gregos. 


é preciso «parar de perder tempo»

Questionado pelos jornalistas sobre quando seria expectável que fosse desbloqueado o dinheiro dos credores, o presidente do Eurogrupo retorquiu: «Primeiro temos de ter um acordo em toda a linha e as reformas a avançar. E depois podemos então desbloquear as tranches de ajuda, podemos fazer o pagamento por partes, como aconteceu noutros programas».