O BCP quer pagar até final deste ano os 750 milhões de euros que deve ao Estado do empréstimo obrigacionista concedido em junho de 2012, disse hoje o presidente do banco.

"Os ‘CoCo' têm de ser pagos até junho de 2017 e temos a intenção de pagar este ano", afirmou hoje Nuno Amado, na apresentação de resultados de 2015 do BCP.

Em junho de 2012, através da compra pelo Estado de instrumentos de capital contingente (as chamadas ‘CoCo bonds', dívida que pode ser transformada em ações em determinadas circunstâncias), o BCP recebeu 3.000 milhões de euros que serviram para se recapitalizar.

Até ao momento, o banco pagou 2.250 milhões de euros, faltando-lhe reembolsar 750 milhões. É esse valor que hoje o presidente do banco disse querer pagar este ano.

Nuno Amado disse ainda que o primeiro pagamento do dinheiro em falta será analisado aquando da conclusão da execução da operação em Angola, em que está prevista a fusão entre o BCP e o Atlântico. Tal deverá acontecer provavelmente em abril, afirmou o banqueiro.

Pelo empréstimo obrigacionista concedido em 2012, o Estado cobra juros que de momento rondam os 10%.

O BCP registou lucros de 235,4 milhões de euros em 2015, ligeiramente abaixo do esperado pelos analistas. Recorde-se que em 2014 o banco tinha tido prejuízos de 226,6 milhões de euros, numa série de quatros anos de prejuízos. 

Aos jornalistas, Nuno Amado anunciou que o banco quer encerrar 100 agências até ao final de 2018.